Felicidade de Roma

Da wiki OrthodoxWiki
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Felicidade.

A Santa Mártir Felicidade de Roma e seus sete filhos (os quais, Januário, Felício, Filipe, Silvano, Alexandre, Vital e Marcial; séc. II) foram corajosos e louvados mártires sob Antonino Pio. A Igreja os comemora em três datas: nos calendários eslávicos, todos em 25 de janeiro; nos restantes, os filhos em 10 de julho e sua mãe em 23 de novembro.

Vida

Felicidade nasceu em Roma, filha de uma nobre família nos tempos do Imperador Trajano (98–117). Não fomos dignos de saber se a jovem provinha de uma família cristã ou se converteu-se a Jesus Cristo na juventude, mas sim que, após dar à luz sete filhos (Januário, Felício, Filipe, Silvano, Alexandre, Vital e Marcial), seu esposo morreu. A viúva, então, decidiu dedicar sua vida à criação de seus filhos e ao serviço de Deus.

Por meio de seu edificante exemplo de caridade, muitos idólatras renunciaram suas práticas pagãs e passaram a adorar ao Deus verdadeiro. Outros, no entanto, denunciaram-na a Públio, Prefeito de Roma sob o Imperador Antonino Pio (138–161), e aquele ordenou que a mãe e seus sete filhos se apresentassem perante ele. O prefeito tentou coagi-los a oferecer sacrifício aos ídolos, mas não teve êxito. Então, Públio disse em tom ameaçador à mãe: “Ó Felicidade, tem piedade dos teus filhos, porquanto ainda estão na flor da juventude, e poderão aspirar às maiores honras e privilégios.”

“Tua piedade é perversa, e a compaixão a qual me exortas faria de mim a mais cruel de todas as mães. Meus filhos, olhai ao Céu, onde Jesus Cristo e todos os Seus santos vos esperam. Sede fiéis em Seu amor, e lutai corajosamente por vossas almas!”

Vendo a inabalável confissão de Fé da viúva, Públio ordenou que ela fosse espancada. Enquanto isso, o prefeito convocou uma criança de cada vez para ser questionada. Todas, pelo exemplo da mãe, confessaram valentemente sua Fé e negaram-se a adorar os ídolos mesmo sob ameaças. No final, todas foram aprisionadas, temendo não a morte do corpo, mas a punição eterna por negar a Cristo.

Num 10 de julho, o Imperador Antonino, após ter lido o interrogatório, enviou as crianças a quatro juristas que decidiriam seu destino. Januário foi flagelado até a morte com açoites de chumbo; Felício e Filipe foram espancados com tacos até a morte; Silvano foi jogado do cume de um precipício; Alexandre, Vital e Marcial, os caçulas, foram decapitados. Quatro meses depois, em 23 de novembro, Santa Felicidade também foi decapitada.

Pós-vida

Igreja de Santa Felicidade em Florença.
Igreja de Santa Susana em Roma.

Felicidade e Silvano foram enterrados no Cemitério de Máximo, Januário no Cemitério de Pretextato, Felício e Filipe no Cemitério de Priscila e os caçulas no Cemitério dos Jordanenses. Todos os guias de peregrinação dos séculos seguintes em Roma mencionavam os cemitérios, destacando que já havia uma igreja nas catacumbas do túmulo de Santa Felicidade. No século III, por algum motivo, os heréticos novacianistas, que negavam a readmissão de cristãos que haviam oferecido sacrifício aos ídolos durante as perseguições, raptaram o corpo de São Silvano.

Entre os séculos IV e V, uma igreja foi dedicada à santa em Florença, e existe até hoje, embora tenha sido reformada posteriormente. Na ocasião de sua festa, São Gregório, o Grande, Papa de Roma (590–604), proferiu uma homilia sob seu túmulo:

“[Santa Felicidade], tendo sete filhos, tinha tanto medo de deixá-los para trás na terra quanto outras mães têm de sobreviver aos delas. Ela foi mais que uma mártir pois, de certa forma, a cada filho seu que era martirizado diante de seus olhos, ela era martirizada junto. Ela foi a oitava na ordem do tempo, mas já havia sido desde o primeiro ao sétimo. A coroa não foi dada somente a ela, mas sim às outras sete crianças. Ao ver seus tormentos, a santa permaneceu firme, sentindo as dores por natureza como mãe, mas esperançosamente alegrando-se por elas em seu coração”

Em 1885, a catacumba de Santa Felicidade foi descoberta. Atualmente, as relíquias de Santa Felicidade repousam na Igreja de Santa Susana em Roma junto com as relíquias de Santo Eleutério, Papa de Roma (séc. II), São Genésio de Roma e Santa Susana de Roma e no Mosteiro do Monte Falisco (Montefiascone) em Lácio na Itália. São Marcial é o padroeiro das cidades italianas de Isca e Turricélia (Torricella) e possui um festival anual em algumas comunidades italianas no dia 10 de julho.

Hinos

Tropário

(Tom 4)

Teus mártires Felicidade e seus filhos,
em sua luta por Ti, Senhor,
de Ti receberam a coroa eterna.
Recebendo forças de Ti, ó nosso Deus,
derrotaram os tiranos,
e destruíram a pretensão impotente dos demônios.
Por suas intercessões,
ó Cristo Deus,
salva nossas almas.

Ligações externas