Elian de Homs

Da wiki OrthodoxWiki
Ir para: navegação, pesquisa

O Santo Mártir Elian de Homs (ou Juliano, de Emesa; m. 312[nota 1]) foi um santo sírio martirizado no século IV. O santo é padroeiro da cidade síria de Homs, e é comemorado pela Igreja em 6 de fevereiro.

Vida

Santo Elian, nativo da cidade fenícia de Emesa (atual Homs), era um hábil médico, que curava enfermidades não só físicas como espirituais, e assim converteu muitos à fé em Cristo Salvador. O santo vivia em difíceis tempos de perseguição, mas nem isso o restringiu de atender, curar e auxiliar a todos os necessitados, independente de raça ou religião, sem exigir pagamento.

Em 312?, sob o imperador Maximiano, quando os santos mártires Silvano, Lucas e Mócio (respectivamente bispo, diácono e leitor) foram levados para serem devorados por animais selvagens, Elian os encorajou e pediu que não temessem a morte pelo Senhor. Santo Elian foi preso, até que seu próprio pai, governador de Homs, ordenasse a matança do próprio filho. O santo recusou negar sua crença, preferindo o martírio por seu amor a Cristo. Suas mãos, pés e cabeça foram furados com longos pregos.

Pós-vida

No século III, foi construída a Igreja de Santo Elian, situada na (atual) parte antiga de Homs. É considerada uma antiguidade arqueológica e tem uma longa história, desde o tempo do sepultamento do santo nela até os trabalhos arqueológicos do século XX, que a recuperaram e embelezaram com afrescos pintados por monges romenos sobre a vida do santo e vários outros e um iconostásio de madeira doado pelo Patriarcado da Romênia.

A guerra na Síria fez com que a igreja permanecesse fechada por 3 anos, sem a possibilidade de se chegar a ela e nem de saber seu estado, pois ela estava dentro de uma zona de conflito. Com o fim do cerco e das operações militares, a igreja foi reaberta. Tanto autoridades políticas como eclesiásticas enviam esforços para que a Igreja de Santo Elian seja restaurada, permitindo que os fiéis finalmente possam celebrar nela novamente.

Oração de Santo Elian

Oração de Santo Elian antes de seu martírio.
Ó Senhor, meu Deus, Tu és a fonte da bondade e da compaixão, e foste Tu que enviaste Teu Filho Unigênito para resgatar e salvar o mundo do fardo do tormento eterno.
Ao abrir os braços de Teu amor para aceitar a todo aquele que vai a Ti, permitiste que o caminho da imortalidade seja cheio de espinhos, para que se manifeste a virtude dos bons combatentes, para que aprendam a ter a verdadeira virtude.
Ó fonte da misericórdia, não deixes que o temor encontre caminho para nossos corações, mas, antes, manifesta Tua complacência e concede a todos firme esperança em Ti.
Ó meu Deus, aprouve a Ti ter um rebanho neste bom país, mas permitiste, por uma sabedoria que desconhecemos, que lobos o invadam.
Tem misericórdia de ter rebanho disperso, e congrega-o sob Tuas asas, para que não seja pisado por todo aquele que passa.
Ó Deus, derrama as luzes do conhecimento de Ti sobre os habitantes deste belo país, para que sejam iluminados com Tua luz, e mostra-lhes algo da Tua sublime beleza e de Teus belos atributos, para que se ocupem deles acima de tudo.
Os corações dos fiéis estão em Tuas mãos, como se elas fossem fontes de águas; dirige, pois, seus desejos para o bem e afasta-os do mal, e sustenta, com Tua destra todo-poderosa, a fraqueza dos que Te buscam para descansar na abundância de Tua misericórdia. Amém.

Hinos

Tropário

(Cantado pela Catedral Ortodoxa Antioquina de São Paulo; em tom 3)

Ó Santo paladino e médico Elian, que a todos curas, /
intercede junto a Deus misericordioso, /
para que conceda às nossas almas o perdão dos pecados.

Notas

  1. Tradições divergem quanto à exata data de sua morte. Só na seção Vida, escrita a partir de uma Tradição, é possível constar que Maximiano já estava morto (310, 5 anos depois de ter sido deposto como imperador) quando o santo foi condenado por ele (312). Já em Pós-vida, que usa outra Tradição, a Igreja de Santo Elian é datada do século III.

Ligações externas