Tatiana de Roma

Da wiki OrthodoxWiki
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Tatiana.

A Santa Virgem e Mártir Tatiana de Roma e seus companheiros (séc. III) foram mártires sob o jurista Ulpiano em Roma. Tatiana é a santa padroeira dos estudantes, e na Bielorrússia, Rússia e Ucrânia, sua festa é um feriado nacional (dia do estudante). Sua memória é celebrada no dia de sua decapitação, 12 de janeiro.

Vida

Tatiana nasceu de uma ilustre família romana, cujo pai havia sido eleito cônsul três vezes. Seu pai era secretamente cristão, e criou Tatiana para ser uma devota a Deus e Sua Igreja. Quando atingiu a maioridade, Tatiana decidiu permanecer virgem, entregando-se a Cristo. Desprezando as riquezas terenas, buscou pela riqueza imperecível dos Céus. Foi ordenada Diaconisa e serviu a Deus em jejum e oração, cuidando dos doentes e ajudando os necessitados.

Naquele tempo, as controvérsias que rondavam o Imperador Heliogábalo (218–222) findaram seu apoio popular e militar, e ele acabou sendo decapitado junto de sua mãe pela Guarda Pretoriana. Seu primo Alexandre Severo (222–235) sucedeu-o, e embora fosse pacífico para com os cristãos, deu o cargo de Jurista a Ulpiano, um feroz perseguidor de cristãos.

Tatiana foi capturada e levada a um templo de Apolo para oferecer sacrifícios ao ídolo. A virgem começou a orar, e, de repente, um terremoto atingiu a região, reduzindo o ídolo e metade do templo a escombros. Muitos pagãos que estavam no templo foram engolidos pelo desabamento. Viu-se também a sombra de um demônio saindo do templo.

Então, os carrascos atacaram a santa e arrancaram os seus dois preciosos olhos com garras. Santa Tatiana corajosamente suportou todas as torturas, orando para que o Senhor Se manifestasse aos carrascos. Deus ouviu sua oração, e os carrascos viram um quarteto de anjos cercando a santa e protegendo-a deles. Uma voz foi ouvida do céu chamando a santa virgem, e oito homens caíram de joelhos perante Santa Tatiana, implorando para que ela os perdoasse os seus pecados contra ela. Por passarem a crer em Jesus Cristo, os oito foram torturados e executados, recebendo o Batismo pelo sangue.

No dia seguinte, Ulpiano novamente trouxe-a a ele, e vendo-a completamente curada de suas feridas, ordenou que fosse despida e novamente espancada. Em seguida, ordenou que seu corpo fosse cortado com navalhas. Uma maravilhosa fragrância se espalhou pelo ar pelos seus cortes. Depois, Santa Tatiana foi esticada no chão e surrada de tal forma que os torturadores tiveram que ser trocados várias vezes, pois afirmavam estar recebendo golpes de um “poder invisível” com barras de ferro. Nove carrascos foram espancados pelos seus próprios socos, pois os anjos os desviavam a dor para os próprios carrascos. Então, enviaram-na novamente à prisão, onde ela orou por toda a noite, cantando louvores ao Senhor com os anjos que a cuidavam.

Na manhã seguinte, levaram-na ao tribunal mais uma vez, e puderam contemplar seu corpo completamente curado e mais radiante que nunca. Os carrascos imploraram-na que oferecesse sacrifícios à deusa Diana para que fosse libertada. Santa Tatiana falsamente concordou com o pedido, e ao levarem ao templo pagão, a santa mártir fez o sinal da cruz e começou a orar. De repente, um raio ensurdecedor desceu do céu, atingindo o ídolo, os sacrifícios e os sacerdotes pagãos. Mais uma vez, a virgem foi ferozmente torturada. Ulpiano ordenou que ela fosse despida, pendurada e profundamente arranhada com garras de ferro. De noite, os anjos voltaram a aparecer perante ela, curando todos os seus ferimentos.

De manhã, levaram-na a um circo. Deixando-a na arena, soltaram um leão faminto. Ao aproximar-se da santa, o leão recusou-se a feri-la, mas humildemente lambeu seus pés. Enquanto levavam o leão de volta à jaula, ele atacou e matou um dos carrascos. Então jogaram-na ao fogo, mas o fogo não a queimou. Acreditando que trava-se de uma feiticeira, os pagãos resolveram cortar seu cabelo de forma que seus poderes cessassem, e trancaram-na num templo a Zeus.

Quando os sacerdotes pagãos adentraram no templo para oferecer os sacrifícios, viram o ídolo em pedaços no chão, e a santa virgem louvando o Senhor. Ulpiano, então, finalmente condenou a valente sofredora à decapitação pela espada em 222 ou 223, na era do santo Papa Urbano I (222–230). Seu pai foi executado junto com ela. Ulpiano foi assassinado pela Guarda Pretoriana em 223.

Pós-vida

A honrável cabeça de santa Mártir Tatiana foi levada à Bulgária em 1204 pelo Czar João, o Romeóctono (1196–1207), e depositada numa igreja em Tarnovo. Logo mais, foi levada ao Mosteiro de Bucovácia (atual Moldávia central). Em 1393, na era da queda do santo Patriarca Eutímio da Bulgária (1375–1393) pelos otomanos, o precioso crânio foi levado à cidade de Niceia (atual noroeste da Turquia) e então a Constantinopla, na Igreja dos Santos Apóstolos, que no tempo era a segunda maior basílica de Constantinopla, atrás da Igreja de Santa Sofia.

Após a Queda de Roma (1453), o santo Voivoda Bassarabe V da Valáquia (atual Romênia; 1512–1521) trouxe sua cabeça junto com o corpo de São Gregório de Decápolis e manteve ambos no Mosteiro de Bístricia. De lá, o crânio de Santa Tatiana foi depositado no Mosteiro Real de Arges, que ele mesmo construiu.

Em 1955, durante o período comunista, seu crânio foi levado à Catedral de Râmnico, até a conclusão de um santuário na Catedral de São Demétrio, em Craiova. O santuário abriga as relíquias de Santa Tatiana, dos santos Sérgio e Baco da Síria e do santo Patriarca Nifão II de Constantinopla (1497–1502).

Hinos

Tropário

(Tradução livre)

Tua cordeira Tatiana, ó Jesus, /
clama por Ti em alta voz: /
“Eu Te amo, meu Noivo, /
“e buscando a Ti, suportei o sofrimento. /
“No Batismo fui crucificada para que pudesse reinar em Ti, /
“e padeci para que pudesse viver junta de Ti. /
“Aceita-me como um sacrifício puro, /
“pois ofereci-me em amor.” /
Por suas orações, ó Senhor misericordioso, /
tem piedade de nós e salva-nos.

Outro tropário

(Tradução livre)

Fortalecida pelo poder da Fé, /
lutaste por Cristo, nosso Deus. /
Ó gloriosa Tatiana, suportaste todas as aflições, /
e por tua coragem envergonhaste Belial. /
A ti rogamos que nos livre do poder do maligno.

Condáquio

(Tradução livre)

Nos sofrimentos tu brilhaste intensamente /
na púrpura real de teu próprio sangue, /
e como uma magnífica pomba voaste aos Céus, /
ó Tatiana, portadora da Paixão. /
Portanto, intercede sempre por todos os que te honram.

Louvor

(Por São Nicolau, Bispo de Ócrida, em tradução livre)

Raciocina tu, que sofres pela juventude do teu corpo! /
Se essa juventude a qual passa vale a pena se lamentar, tu que julgues! /
Apenas uma única juventude existe, a juventude na eternidade. /
Essa é a verdadeira juventude, a juventude que não envelhece. /
É isso que vale a pena pedir, é por isso que vale a pena lagrimar, /
mesmo se tiveres que pagar por isso com a morte do teu corpo. /
Tatiana comprou o mais oneroso com o mais barato. /
Pelo pó e água, o divino vinho; /
pelo corpo que avelhenta, a juventude eterna; /
e por algumas lágrimas, a alegria querúbica. /
Prometida a Cristo, o Rei imortal, /
ela permaneceu fiel ao seu Noivo; /
pelo poder de um espírito puro, esmagou as tentações; /
e corajosamente suportou as terríficas torturas. /
Ao seu redor foram ouvidos os passos angélicos. /
Como um pano amassado, ela derrubou seu corpo, /
e uma alma liberta dos laços terrenos /
foi erguida sem lágrimas à cerimônia no Reino.

Ligações externas