Diferenças entre edições de "Profeta Elias"

Da wiki OrthodoxWiki
Ir para: navegação, pesquisa
(Ligações externas)
 
Linha 40: Linha 40:
 
== Ligações externas ==
 
== Ligações externas ==
 
* [http://ocafs.oca.org/FeastSaintsViewer.asp?FSID=102060 Santo e Glorioso Profeta Elias] (Igreja Ortodoxa na América, OCA)
 
* [http://ocafs.oca.org/FeastSaintsViewer.asp?FSID=102060 Santo e Glorioso Profeta Elias] (Igreja Ortodoxa na América, OCA)
 +
* [https://www.youtube.com/watch?v=guTOkW0pR1s Ouvi-me com Fogo: A Vida do Profeta Elias] (Documentário)
  
 
{{DEFAULTSORT:Elias}}
 
{{DEFAULTSORT:Elias}}

Edição atual desde as 03h27min de 19 de outubro de 2019

Santo Elias.

O Santo Glorioso Profeta e Taumaturgo Elias (séc. IX a.C.) foi um dos maiores profetas do Antigo Testamento, e o primeiro que se dedicou à castidade. Seu nome é invocado por aqueles que querem o livramento das secas e a manutenção do clima sazonal. A Igreja o comemora em 20 de julho.

Vida

Em Tisbe, Gileade (atual Jordânia), na tribo dos levitas nasceu Elias, 900 anos antes da vinda de Jesus Cristo. Quando Elias nasceu, seu pai Sobac teve uma visão em que seu filho estava rodeado de anjos, que o cercavam com fogo. Desde sua infância, Santo Elias dedicava-se ao Deus Uno, viajava ao ermo constantemente e passava sua vida em estrito jejum, meditação e oração. Chamado para o serviço profético, o qual o pôs em conflito com o Rei Acabe I de Israel (874–853 a.C.), Elias tornou-se um feroz zelote da Fé e da piedade.[1]

Naquele tempo, Israel já havia deixado a fé de seus pais e abandonado o Deus Verdadeiro. O Rei Jeroboão I de Israel (922–901 a.C.) havia começado o culto aos deuses pagãos, que se expandiu entre os israelitas. A Rainha Jezabel, esposa de Acabe, era devota aos ídolos, e persuadiu Acabe a erguer um templo dedicado ao deus pagão Baal, para o qual diversos israelitas foram seduzidos. Estando diante das ruínas de sua nação, o profeta começou a queixar-se contra a impiedade do rei, exortando-o a arrepender-se e voltar-se para o Deus de Israel. Após o rei não lhe dar ouvidos, Elias declarou que, como punimento, os solos de Israel não veriam nem gotas de chuva — sequer gotas de orvalho — até o Senhor ouvir a oração do rei.

“Suas palavras queimavam como uma tocha ardente.” (Eclesiástico 48:1)

Os céus se fecharam por três anos e meio naquela região, trazendo secas e fomes por toda a terra. Elias havia sido enviado pelo Senhor a uma caverna após o rio Jordão, onde ele foi milagrosamente alimentado por corvos. Quando a torrente do rio Carite, pelo qual ele recebia água, secou, o Senhor o enviou para Sarepta, onde havia uma pobre viúva de Sidom que estava prestes a morrer de fome com seus filhos. Crendo no profeta, a viúva preparou-o um pão com tudo que a restava de farinha e óleo conforme pedido por ele. Pelas orações do santo, farinha e óleo abundaram na casa da viúva durante todo o tempo de fome, e, quando seu filho morreu, o profeta realizou um milagre: ele trouxe seu filho de volta à vida.[2]

Após três anos de seca, o Senhor Misericordioso enviou o profeta perante o Rei Acabe, com a promessa de permitir novamente a chuva em Israel mediante o comparecimento de toda a nação no Monte Carmelo, juntamente com os sacerdotes pagãos. Então, apresentando-se perante todo o povo, Elias propôs que fossem feitos dois altares de sacrifício: um a Baal, outro ao Senhor. O povo invocaria então o nome de seu deus, enquanto Elias sozinho invocaria o do Altíssimo. A lenha que se acendesse milagrosamente determinaria se Deus ou Baal seriam reconhecidos como verdadeiros. Os israelitas ficaram a manhã inteira invocando o nome de Baal, mas nada acontecia. Chegaram até a se cortarem para oferecerem seus próprios sangues, mas o novilho permanecia intacto. Pelo início da tarde, o Profeta Elias ergueu seu altar com doze pedras, que simbolizavam as tribos de Israel. Pediu então que fossem derramadas doze talhas d'água sobre o holocausto e orou:

“Senhor, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, saibam todos hoje que sois o Deus de Israel, que eu sou Vosso servo e que por Vossa ordem fiz todas estas coisas. Ouvi-me, Senhor, ouvi-me, para que este povo reconheça que Vós, Senhor, sois Deus e que sois Vós que converteis os seus corações!”

Nisso, labaredas desceram dos céus, consumindo o sacrifício, a lenha e até a água. O povo então caiu por terra e exclamou: “O Senhor é Deus! O Senhor é Deus!” Liderados por Santo Elias, os israelitas não deixaram vivos um só dos falsos profetas de Baal. Pelas orações do profeta, os céus trouxeram a chuva, que irrigou toda a terra.[3]

O rei arrependeu-se das suas transgressões, mas a Rainha Jezabel jurou por sua vida que acabaria com a vida do santo profeta. Elias fugiu para Bersabeia, onde caminhou sozinho pelo deserto de Judá durante um dia. Lamentando seu “fracasso”, o piedoso profeta faria uma última oração: “Basta, Senhor, tirai-me a vida, porque não sou melhor do que meus pais.” Um anjo do Senhor apareceu a ele e fortaleceu-o com um pão, o qual o deu o vigor para caminhar quarenta dias e quarenta noites até o Monte Horebe, onde abrigou-se numa caverna. No dia seguinte, o Senhor disse-lhe para permanecer no cume do monte. Houveram furacões, terremotos e até labaredas, mas o Senhor não estava no meio delas. Então houve uma brisa, e nela estava o Senhor. A Presença revelou-o que subsistiriam sete mil israelitas que não ajoelharam-se perante Baal nem o beijaram, e então disse-lhe para Hazael como rei da Síria (842–796 a.C), Jeú de Jeosafá como rei de Israel (841–814 a.C.) e Santo Eliseu de Abel-Meolá como seu sucessor profético.[4]

Naquele tempo, o Rei Beneadade II da Síria (880–842 a.C.) cercou Samaria e preparou uma guerra com o Rei Acabe, mas esse recebeu uma revelação de um certo profeta que Deus estaria com Israel, e assim Acabe saiu vitorioso. Porém, o profeta avisou-o que Beneadade voltaria a atacar Israel no ano seguinte. Pela descrença dos sírios, que entenderam que Deus era um deus dos montes e não das planícies, o Senhor novamente esteve com Israel no novo ataque, no qual, mesmo em desvantagem, Israel matou cem mil sírios. Beneadade pediu misericórdia a Acabe, que o poupou e estabeleceu um tratado entre as duas nações. Isso, porém, foi contra a vontade de Deus, e futuramente Beneadade voltaria a atacá-lo.[5]

Elias então foi informado pela Palavra do Senhor que Nabote, dono de um vinhedo, havia sido apedrejado até a morte após negar cedê-la ao rei, pois era herdeiro dela. A rainha falsamente acusou-o ao povo de ter amaldiçoado a Deus e ao rei, e a multidão o matou. Elias pôs-se em direção ao palácio de Acabe, e lá profetizou o aniquilamento de toda a família real, cujos cadáveres seriam comidos pelos cães e pelas aves do céu. Acabe, ao ouvir essas palavras, humilhou-se perante o Senhor, rasgou suas vestes e jejuou. Com isso, o Senhor revelou a Elias que o castigo não mais viria durante seu reinado, mas sim nos dias de seu filho e sucessor, Acazias (853–852 a.C.).[6]

Três anos depois, o Rei Jeosafá de Judá (871–848 a.C) encontra-se com Acabe e convoca-o para uma guerra contra Beneadade II pelas terras de Ramote-Gileade, que há muito tempo haviam sido tomadas pelos sírios. Antes de declarar guerra, ambos os reis convocaram seus profetas. Todos predisseram que os dois sairiam vitoriosos, com a exceção de um certo profeta chamado Miqueias, que revelou que o Senhor havia posto um espírito de mentira na boca de todos os outros profetas a favor de seu perecimento. Acabe prendeu Miqueias e decretou que esse fosse alimentado com um pão de miséria até a vitória dos dois reinos, e partiram para a guerra. Acabe não voltou vivo. Seu sangue foi lambido pelos cães e serviu de banho para prostitutas.[7]

No reinado de Acazias, Moabe revoltou-se contra Israel, e o rei foi gravemente ferido. Para saber se viveria, mandou seus mensageiros irem consultar Baal-Zebube, deus de Ecrom na Filisteia. Elias então novamente recebeu uma revelação angélica, ordenando que falasse a Acazias: “Não há, porventura, um Deus em Israel, para irdes consultar Baal-Zebube, deus de Ecrom? Por isso, eis o que diz o Senhor: ‘Não te levantarás do leito a que subiste, mas morrerás.’” Elias se encontrou com os mesmos mensageiros, e estes retornaram ao rei com a mensagem, que logo reconheceu o profeta por trás delas. Enviou a Elias que estava então um chefe com seus cinquenta homens, que acabaram consumidos pelas labaredas do céu. Enviou-lhe novamente um chefe com outros cinquenta homens, e o mesmo aconteceu. Na terceira vez, o terceiro chefe suplicou ajoelhado a Elias, e todos foram poupados. Acazias, porém, morreu, segundo a revelação a Elias.[8]

A ascensão de Santo Elias.

Ulteriormente, quando Elias estava com Eliseu em Gilgal, este pediu que Eliseu ficasse, pois o Senhor o chamara para Betel. Elias, sabendo que a vida de Elias estava próxima do fim, seguiu-o até Betel. Lá, Elias pediu-o novamente que ficasse, pois fora chamado para Jericó, mas Eliseu seguiu-o mesmo assim. Em Jericó, Elias refez o pedido, mas Eliseu continuou a segui-lo, até o rio Jordão. Além de Eliseu, outros cinquenta filhos de profetas o haviam seguido. Atirando seu manto na água, Elias separou as águas do Jordão, e juntamente com Eliseu atravessou as margens. Tendo atravessado o rio, Elias o perguntou o que deveria fazer por ele, e esse o respondeu: “Seja-me concedida uma porção dobrada do teu espírito.” Elias disse-lhe que a resposta iria depender se ele conseguisse vê-lo sendo arrebatado ou não. De repente, um carruagem de fogo com cavalos também de fogo separaram os dois, e Elias subiu aos céus num turbilhão, para o repouso eterno. Atônito, Eliseu rasgou suas vestes e tomou para si o manto de Elias. Batendo com ele nas águas, elas se separaram, e o santo profeta cruzou as margens novamente. Os filhos dos profetas então disseram: “O espírito de Elias repousa em Eliseu.”[9]

Pós-vida

Cristãos de todas as eras veneraram o Profeta Elias. Durante o Batismo da Rus', por exemplo, Santa Olga, Princesa de Quieve (945–962), dedicou o primeiro templo da Rus' ao santo profeta. Há também uma igreja cujas fundações existem até os dias de hoje dedicada ao profeta, construída durante o reinado de Ascoldo (década de 870). Na iconografia, o Profeta Elias é representado ascendendo ao Céu numa carruagem em chamas e cercado por elas. Quatro cavalos o levam.

Na Transfiguração de Nosso Senhor Jesus Cristo, três discípulos viram os santos Moisés e Elias conversando com Jesus no Monte Tabor. Segundo a Santa Tradição, o Profeta Elias será o precursor do terrível Segundo Advento. Ele proclamará a verdade, incitará o arrependimento de todos, e será morto pelo Anticristo. Esse será um sinal do fim do mundo.

Referências

  1. 3 Reis 16
  2. 3 Reis 17
  3. 3 Reis 18
  4. 3 Reis 19
  5. 3 Reis 20
  6. 3 Reis 21
  7. 3 Reis 22
  8. 4 Reis 1
  9. 4 Reis 2

Ligações externas