Abrir menu principal

OrthodoxWiki β

Trófimo e Teófilo da Lícia

Santos Trófimo e Teófilo e outros dois companheiros.

Os Santos Mártires Trófimo e Teófilo da Lícia e seus treze companheiros (séc. IV) sofreram durante a Grande Perseguição sob Galério. Em honra a eles, existe um cânone feito por Santo André de Creta celebrando seu vitorioso martírio. A Igreja os comemora no dia 21 de julho.

Vida

Mesmo após a abdicação do ímpio Imperador Diocleciano (284–305) devido à sua saúde em 305, a Grande Perseguição iniciada por ele foi continuada no Oriente por Galério (293–311), seu sucessor. Na província da Lícia (atual sudoeste da Turquia), Trófimo, Teófilo e outros treze piedosos e zelosos cristãos haviam sido capturados pelas forças do governador e jogados no cárcere.

No dia do julgamento, o jurista ordenou que os quinze oferecessem sacrifícios aos deuses pagãos para serem libertos. Todos foram fiéis ao Senhor, e recusaram-se a renunciar a Jesus Cristo, mesmo sabendo das torturas que estavam à sua espera. Então, sob as ordens do jurista, os carrascos suspenderam-nos todos nos galhos de uma árvore e, com garras de ferro, começaram a rasgar os seus corpos. Mesmo banhados de sangue, os quinze não negaram ao Senhor, e os torturadores começaram a apedrejá-los.

Vendo a persistência dos confessores, o jurista quis entregá-los a uma tortura semelhante à que os crucificados sofriam, e ordenou que suas pernas fossem quebradas. Em seguida, uma grande fogueira foi feita, e os quinze nela foram jogados. Após um tempo, todos milagrosamente saíram de pé do fogo, completamente curados e dando graças a Deus ainda mais. Incapaz de frustrar a vontade dos santos mártires, o jurista desistiu, e ordenou que fossem decapitados. Assim, em 21 de julho de 308, os quinze santos mártires da Lícia entregaram suas almas ao Senhor, e d’Ele receberam a coroa do martírio.

Hinos

Tropário

(Tom 4)

Teus mártires Trófimo e seus companheiros,
em sua luta por Ti, Senhor,
de Ti receberam a coroa eterna.
Recebendo forças de Ti, ó nosso Deus,
derrotaram os tiranos,
e destruíram a pretensão impotente dos demônios.
Por suas intercessões,
ó Cristo Deus,
salva nossas almas.

Referências

  • São Demétrio, Arcebispo de Rostóvia (1906). A vida dos santos. Livro XI.
  • São Nicolau, Bispo de Ócrida (2002). O prólogo de Ócrida. Volume II.

Ligações externas