João, o Batista

Da wiki OrthodoxWiki
(Redirecionado de João Batista)
Ir para: navegação, pesquisa
São João Batista, o Precursor

São João Batista, o Precursor (em grego: Άγιος Ιωάννης ο Πρόδρομος και Βαπτιστής) foi um glorioso profeta e batista, que antecedeu nosso Senhor Jesus Cristo. A Igreja comemora a Sináxis do Santo Profeta e Precursor João Batista em 7 de janeiro. São João Batista é também comemorado em 24 de junho por sua natividade, 29 de agosto por sua decapitação, 23 de setembro pela sua concepção; e 24 de fevereiro pelas duas invenções (descobertas) de sua cabeça.

Vida

Concepção e natividade

Ícone da Concepção de São João, o Batista
Ícone da Natividade de São João, o Batista

O Santo Profeta e Precursor João, o Batista, foi filho do sacerdote Zacarias e sua esposa Isabel. Uma vez que Isabel era estéril, o casal chegou a uma idade já avançada sem filhos. Ainda assim, o desejo de ambos por terem seu matrimônio abençoado com uma criança fez com que, mesmo passando da idade reprodutiva, ambos jamais cessassem de dedicar suas orações a Deus. Tamanha era a fé do sacerdote e de sua piedosa esposa que suas súplicas foram ouvidas por Deus. Eis que o Altíssimo enviou a eles um anjo, trazendo-lhes a mensagem que Isabel daria luz a um filho e este se chamaria João. Esse pequeno João tinha um chamado de Deus para que fosse o precursor de Seu Divino Filho.

Invenções

Primeira invenção

Após a decapitação do Santo Profeta, Precursor e Batista João, seu corpo foi enterrado por seus discípulos na cidade de Sebaste, em Samaria, e sua venerável cabeça havia sido escondida por Herodíade. Santa Joana, esposa do procurador de Herodes, Cuza,[1] secretamente tomou a santa cabeça e a levou num vaso até o Monte das Oliveiras, numa das propriedades de Herodes, onde a enterrou.

Depois de muitos anos, em meados do século IV, essa propriedade foi passada para um oficial do governo, que tornou-se monge sob o nome de Inocêncio. Ele planejou construir uma igreja e uma célula lá, mas quando começaram as escavações para a fundação, o vaso com a venerável cabeça de São João Batista foi encontrado. Inocêncio reconheceu sua grande santidade a partir dos sinais de graça que emanavam dela. Assim ocorreu o primeiro descobrimento da cabeça. Inocêncio a preservou com grande piedade, mas, temendo que algo acontecesse com a santa relíquia, ele a escondeu no mesmo lugar onde ela havia sido encontrada. Depois de sua morte, a igreja desmoronou.

Segunda invenção

Durante os dias de São Constantino, o Grande, quando os cristãos começaram a florescer, o santo Precursor apareceu duas vezes perante dois monges que peregrinavam para Jerusalém aos locais santos, e os revelou a localização de sua venerável cabeça.[notes 1] Os monges descobriram a santa relíquia, e, colocando-a num saco de pelo de camelo, prosseguiram sua peregrinação.

No caminho, eles se encontraram com um ceramista e deram a ele o precioso fardo, para que ele, sem saber o que era, o carregasse. Então, São João apareceu ao ceramista, e mandou-o fugir dos preguiçosos e descuidados monges com o que estava carregando. Escondendo-se dos monges, o ceramista preservou em sua casa com reverência a venerável cabeça. Antes de sua morte, ele a colocou num jarro e a deu a sua irmã.

Desse tempo em diante, a venerável cabeça foi sucessivamente preservada por devotos cristãos, até que o padre Eustácio – corrompido pela heresia ariana – tomou posse dela. Ele enganou uma multidão de enfermos que haviam sido curados pela sagrada cabeça, atribuindo suas curas ao fato de que estava em posse de um ariano. Quando sua blasfêmia foi descoberta, ele foi obrigado a fugir, e, após enterrar a santa relíquia numa caverna próxima a Emesa, o herege pretendeu voltar mais tarde e usá-la para disseminar a falsa doutrina.

Deus, entretanto, não permitiu isso. Piedosos monges se estabeleceram na caverna, e então um monastério surgiu no local. No ano 452 (ou 430), São João Batista apareceu ao Arquimandrita Marcelo, e indicou onde sua cabeça havia sido enterrada. Foi assim que se sucedeu a segunda descoberta. A sagrada relíquia foi levada a Emesa, e mais tarde a Constantinopla.

Hinos

Tropário

A memória do Justo é digna de louvor, mas para ti, ó Precursor, basta o testemunho do Senhor, pois te manifestaste o mais venerável dos Profetas, tu que foste digno de batizar nas águas do Jordão Aquele que eles haviam anunciado. Lutaste também pela verdade e, com júbilo, anunciaste aos cativos no Hades a manifestação do Deus encarnado que tira os pecados do mundo, concedendo-nos a grande misericórdia.

Tropário da Concepção

Alegra-te, ó estéril que não podia dar à luz, pois tu claramente concebeste uma lamparina mais brilhante que o sol, que iluminará todo o universo cego pela enfermidade. Dança, ó Zacarias, e brada alegremente: “Aquele que irá nascer é um profeta do Altíssimo”.

Tropário da Descoberta

(Cantado pela Catedral Ortodoxa Antioquina de São Paulo, em tom 4)

A santa cabeça do Precursor, tendo despontado da terra, emanou raios de incorrupção aos fiéis, pelos quais eles encontraram cura para seus males. Desde as alturas ele reúne os coros dos anjos, e, na terra, chama toda a raça humana a que, a uma só voz, glorifiquem a Cristo nosso Deus.

Notas

  1. Dependendo da Tradição, essa foi a primeira invenção.

Referências

  1. Lucas 8:3

Ligações externas